Caros munícipes,
Não poderia deixar de me dirigir a vós neste tempo singular e difícil que todos atravessamos e que, tenho a certeza, vamos ultrapassar juntos.
Foi declarado ontem o Estado de Emergência em todo o país, uma situação que estamos a viver pela primeira vez e que exige de nós responsabilidade em nome da nossa segurança comum.
Este é um tempo que nos desafia diariamente, sejamos nós simples cidadãos, autarcas ou governantes. A Câmara Municipal de Santa Cruz tem vindo a alterar diariamente o seu Plano de Contingência, adaptando-o constantemente. Assim, estamos a funcionar em jornada contínua das 9 às 14 h, encerrámos os serviços presenciais de atendimento ao público e implementámos outras normas internas de segurança para proteção dos nossos funcionários e dos nossos munícipes. Seguiram-se outras medidas que visam conter possíveis focos de contaminação como são o adiamento dos nossos eventos, a suspensão das nossas obras públicas o encerramento dos parques infantis. Melhorámos o nosso atendimento não presencial, alargámos os prazos de pagamento da fatura da água, suspendemos o pagamento das rendas sociais nos nossos bairros sociais e o estacionamento pago em todo o concelho, e suspendemos as rendas e taxas que os comerciantes pagam nos espaços concessionados pela Câmara.
Relativamente à água, quero ainda sublinhar que se o Governo Regional isentar a autarquia do pagamento da disponibilidade da água em alta, nós não iremos cobrar aos nossos munícipes essa fatura. Só estamos a aguardar clarificação oficial desta situação.

Paralelamente, organizamos as nossas equipas operacionais por forma a que não falhem os serviços essenciais como a limpeza urbana e a recolha de resíduos sólidos.
Estes são tempos difíceis e exigentes. Devemos todos cumprir a nossa parte para vencermos este novo inimigo. Fala-se de que estamos em guerra. É verdade. Mas eu também sei da resiliência e força do nosso povo e sei que vamos dar o nosso melhor, como sempre o fizemos em tempos de catástrofe.
Quem puder deve ficar em casa e sair apenas para o essencial. Sejamos responsáveis, solidários, mas também crentes de que vamos ultrapassar isto.
Não queria terminar sem uma palavra de esperança no futuro, porque haverá futuro e, se Deus quiser, vamos ficar bem. Tenho a certeza de que vamos ficar bem.
Também não posso terminar, sem uma palavra de agradecimento e homenagem a todos os que têm de continuar a trabalhar para garantir o essencial. Desde logo os nossos funcionários que continuam a assegurar a nossa missão, mas também aos médicos e enfermeiros, aos nossos bombeiros e aos bombeiros de toda a Região, às nossas forças de segurança, aos motoristas, aos trabalhadores que garantem que continuamos a ter acesso aos bens alimentares e aos medicamentos. A todos o nosso agradecimento e apoio.
Estamos juntos e juntos havemos de vencer para podermos voltar a dar aquele abraço, que nos está temporariamente vedado, mas que é a forma mais genuína da nossa humanidade.
Da nossa parte, continuamos a trabalhar para si e para o nosso concelho.
Com estima e esperança
O Presidente da Câmara
Filipe Martiniano Martins de Sousa